Como criar um plano de carreira perfeito? - Blog da MRH - Carreira, formação e ensino tecnológico no padrão MRH
Carreira

Como criar um plano de carreira perfeito?

Realizar-se pessoalmente e profissionalmente, obter o reconhecimento do mercado, ter uma remuneração mais alta e conquistar mais qualidade de vida: se você busca alcançar algum desses objetivos, o primeiro passo é contar com um bom plano de carreira.

Apesar do plano ser fundamental para uma trajetória de sucesso, a verdade é que poucos profissionais o fazem. Muitas vezes eles até sonham com o alvo, mas dificilmente param para planejar cada etapa que os ajudará a chegar lá.

Você ainda não construiu um plano de carreira? Quer descobrir como elaborar um planejamento pessoal para conquistar seus objetivos? Então continue a leitura e veja nossas dicas práticas para criar o plano de carreira perfeito!

1. A importância de um plano de carreira

Se você já tentou ir a algum lugar onde nunca esteve sem um mapa ou GPS, deve se lembrar de como é difícil chegar ao local sem cometer uma série de erros, não é? Imagine então como é difícil encontrar o destino ao sair por aí sem rumo, sem direção.

Pode parecer absurdo, mas é mais ou menos isso o que acontece com quem não elabora o próprio plano de carreira. Afinal, como o profissional pode se preparar para conquistar um cargo que ele nem sabe qual é? E nós sabemos que sem preparo, não há sucesso.

Quando isso não acontece, resta ao profissional aproveitar as oportunidades que o mercado oferece. Porém, esse sistema do “deixa a vida me levar” nunca foi uma boa opção para quem quer ter um cargo disputado no mercado. Entenda o porquê:

  • nos últimos anos, o mercado lançou uma série de sistemas que automatizam funções burocráticas e repetitivas, dispensando a necessidade de contratar funcionários menos qualificados que executavam essas tarefas;
  • com esse quadro, o mercado tem menos postos de trabalho disponíveis para esses trabalhadores;
  • com menos empregos e mais candidatos disponíveis, as empresas pagam salários ainda menores para esses trabalhadores — é a lei da oferta e procura;
  • mesmo com uma remuneração menor, essas vagas se tornam mais concorridas, o que faz as empresas selecionarem apenas os melhores candidatos;
  • para os postos mais desejados, a concorrência também é acirrada: vencem aqueles que tiveram o melhor preparo e sabem transformar conhecimento em resultados.

Por esses motivos, a qualificação não é mais opcional, e sim algo essencial para quem deseja obter qualquer cargo com reconhecimento profissional e financeiro maior. A grande questão é: em qual formação apostar? É aí que entra o plano de carreira.

O plano de carreira é justamente o mapa que leva o profissional do ponto onde ele está agora até onde ele deseja chegar. O documento traça não só o destino final, mas também o caminho que se deve percorrer para chegar lá.

Vamos pensar em um exemplo prático? Imagine que um estudante deseja ser juiz. Para isso, ele obrigatoriamente deve seguir alguns passos: faculdade de Direito, registro na OAB, exercício da advocacia, concursos públicos, etc. Portanto, definir o objetivo final é o ponto de partida para construir todo o planejamento.

Você já sabe o que quer para o seu futuro profissional ou ainda tem dúvidas sobre qual profissão escolher e qual caminho seguir? Confira os próximos passos e descubra como fazer isso!

2. Como identificar habilidades e desenvolvê-las

Escolher uma profissão baseado apenas no status e remuneração que ela oferece pode ser uma tremenda armadilha. Por isso, a definição de “onde chegar” deve levar em conta sua personalidade, habilidades e interesses.

O primeiro fato que devemos levar em conta é que passamos grande parte da nossa vida trabalhando. Portanto, gastar todas essas horas em uma atividade que não gostamos é extremamente estressante e pode levar a uma insatisfação permanente.

O segredo é encontrar a melhor forma possível de utilizar seus talentos em uma atividade profissional que seja, ao mesmo tempo, prazerosa e desafiadora. Para isso, você precisa ter um bom conhecimento de si mesmo e identificar as próprias habilidades.

Confira algumas dicas para colocar isso em prática:

Identifique o que faz você se sentir bem

Todos temos atividades que gostamos ou não de fazer. Existem pessoas que gostam de lidar com gente e outras que preferem passar a maior parte do tempo sozinhas e concentradas, por exemplo. Há ainda quem goste de esportes, culinária e música, enquanto outros detestam!

Portanto, não importa se gosta de Física Quântica ou de fazer colar com miçangas, nem se você prefere fazer parte de uma equipe, liderar um time ou trabalhar sozinho. O grande ponto é identificar que tipo de atividade faz você se sentir bem.

Identifique as atividades em que você teve melhor resultado

Leve em consideração o seu histórico, tanto no seu período de estudos quanto na vida profissional. Identifique quais foram suas melhores realizações: você é bom em liderar pessoas ou tem mais facilidade para agilizar processos e fazer as coisas funcionarem? Você é a pessoa que a empresa procura quando precisa lidar com aquele cliente mais difícil ou é aquela que bate o olho em uma planilha e logo consegue identificar erros? É o tipo de funcionário que arranja uma solução criativa para os problemas?

Pense nessas situações e identifique quais são as que você demonstra ter uma capacidade maior para solucionar de forma satisfatória. Ao analisá-las, é possível que você identifique suas principais habilidades.

Considere as observações feitas por outras pessoas

Quem acompanha nosso trabalho de fora também pode dar dicas valiosas sobre as nossas habilidades. Não estamos falando aqui daquelas pessoas que só criticam e insistem em dizer aquilo em que não somos bons (pelo menos na visão delas), mas sim de quem reconhece nossas competências até para coisas simples do dia a dia.

Algum colega de trabalho já te pediu dicas sobre como negociar com um cliente alegando que você tem esse “dom”? Se você fizer um exercício de memória, provavelmente vai se lembrar de uma série de situações assim: tem aqueles que disseram como você é comunicativo ou persuasivo, outros que falaram da sua capacidade de ver soluções simples para problemas complexos, entre outros.

Nessa etapa, você também pode recorrer àqueles bons amigos que conhecem você há mais tempo e podem ajudar a enxergar essas qualidades. Se tiver abertura, não hesite em perguntar ao seu chefe ou a colegas de trabalho com quem você já trabalhou.

Identifique interesses prolongados

Outra maneira de descobrir suas habilidades é prestar atenção em assuntos que prendem o seu interesse por um longo tempo. Afinal, você não quer terminar trabalhando com algo que não passou de paixão à primeira vista, certo?

Mas fique atento! Aqui, não basta conhecer as suas habilidades: é preciso desenvolvê-las. Lembre-se que o mercado está cheio de candidatos dispostos a brigar pela mesma vaga que você, e as empresas contratarão aqueles que demonstram competência para produzir melhores resultados.

Veja como fazer isso:

Aposte nos seus diferenciais

Depois de conhecer suas próprias habilidades, muitas pessoas fazem um esforço tremendo para desenvolver competências que não possuem. Melhorar é sempre importante, mas completar essas lacunas não deve ser o principal foco do profissional.

Direcione a maior parte dos seus esforços para melhorar ainda mais naquilo que já é bom. Assim, você tem chance de se tornar uma referência naquele tipo de habilidade ou atividade. Seus superiores perceberam que você é ótimo para atender o cliente? Então foque-se nessa atividade. Busque informações, lapide essa capacidade e conquiste uma posição de destaque!

O mesmo vale para outras competências, como comunicação, planejamento, organização, liderança, negociação e muito mais. Você pode se destacar com uma habilidade e delegar as outras atividades para pessoas que têm um desempenho superior nelas.

Um diretor de Marketing pode ser genial na criação de campanhas, mas não tão eficiente na hora de executá-las. Para essa etapa prática, portanto, ele pode contar com uma equipe equilibrada, que saiba fazer as grandes ideias se tornarem realidade.

Peça e acolha feedbacks

Se na empresa onde você trabalha existe abertura para isso, converse francamente com o seu chefe. Conte que você percebeu que tem determinadas habilidades e que está buscando desenvolvê-las.

Durante a conversa, deixe claro que você pode produzir bons resultados para o departamento e para a organização ao aperfeiçoar essas habilidades, e que por isso gostaria de contar com a ajuda dele. Essa contribuição pode ser feita por meio de feedbacks, então mostre que você gosta de ser avaliado e de receber sugestões sobre como desenvolver as competências que julga necessárias.

Seu gestor já passa feedbacks? Então analise cada avaliação e veja o que você pode absorver para melhorar sua performance. Todo esse processo deve ser encarado como uma oportunidade de melhorar!

Busque formação

Embora os feedbacks sejam fundamentais para o seu crescimento profissional, você não deve se limitar a isso. As empresas também valorizam muito a formação acadêmica, fator que pode te diferenciar positivamente da concorrência.

Investir na graduação é uma excelente alternativa para conquistar essa posição de destaque. O mercado oferece não só faculdades tradicionais, que são longas e teóricas, mas também graduações tecnológicas. Além de mais rápidas e enxutas, as graduações tecnológicas são bastante práticas. Elas deixam de lado as matérias relacionadas a uma formação generalista e focam nos conhecimentos necessários para enfrentar os desafios do mercado de trabalho.

Os cursos tecnológicos também têm outro benefício: eles costumam ser mais aprofundados. Isso significa que, em vez de abordar um amplo campo de conhecimento no qual o estudante tem uma noção mínima de cada área, essa formação direciona o futuro profissional para um único campo, mas oferecendo uma abordagem completa.

A explicação para isso é simples: a faculdade tecnológica parte do princípio que é mais importante formar em apenas uma área, mas garantir que o estudante realmente passe o tempo de duração do curso aprendendo tudo que precisa para exercer, na prática, aquela profissão de forma competente.

Assuma responsabilidades

Conversou com seu chefe sobre suas habilidades e deixou claro no que você é bom? Então mostre que está disposto a assumir responsabilidades maiores à medida que receber feedbacks positivos.

Aqui, é importante ser proativo e não esperar apenas que seus líderes deleguem: faça o melhor sempre, vá além do que esperam de você e demonstre dedicação. Tenha apenas o cuidado de não atropelar os colegas de trabalhos ou o próprio chefe nesse processo.

Quando o líder pedir a você para realizar uma tarefa nova, aceite a missão como uma oportunidade de aprendizagem. Converse com ele sobre as expectativas para o projeto, explique como pretende executá-lo e peça orientações. Lembre-se que desafios reais são a melhor maneira de desenvolver suas habilidades, mas você só vai chegar neste nível e alcançar uma alta performance se estiver disposto a fazer o que a maioria das pessoas não faz.

3. Como escolher a profissão certa

Agora que você já conhece suas habilidades, chegou o momento de conhecer as profissões em que elas são mais requisitadas. Para isso, é preciso pesquisar!

Faça uma lista de profissões que você considera interessantes. Baseie-se nas suas preferências, nos diferentes cargos que existem na própria empresa onde você trabalha e também em informações obtidas por pessoas conhecidas e nos meios de comunicação.

Com essa lista em mãos, é hora de conhecer algumas áreas de perto. Você vai encontrar muito material em guias e sites que falam das diferentes ocupações e do que o mercado espera desses profissionais. Para ter uma noção ainda mais exata, procure conhecer a visão de profissionais que chegaram lá. Se tiver a oportunidade de conversar pessoalmente, essa é uma ótima alternativa.

Mesmo que você não consiga esse contato pessoal com os profissionais, é possível obter muitas informações sobre o que eles fazem em artigos publicados em blogs, sites ou revistas relacionadas ao mundo dos negócios. Mais do que uma linha geral, procure descobrir o que exatamente essas pessoas exercem na sua rotina de trabalho — só assim será possível avaliar se você se identifica com essas atividades.

Por exemplo: uma notícia pode falar de um executivo que conduziu uma fusão bilionária entre duas empresas, mas o que essas reportagens nunca falam é quantos dias e meses ele passou analisando relatórios, lendo contratos e documentos, participando de reuniões, etc.

Com essas informações detalhadas, você poderá analisar se os requisitos para exercer aquela profissão correspondem às suas próprias habilidades. Assim, suas chances de apostar na carreira certa se tornam muito maiores. Também é preciso levar em consideração o momento do mercado: embora esse não seja o único critério para escolher uma profissão, ele deve ser considerado. Portanto, analise se o cargo está em alta ou em baixa nas empresas, ou que rumo ele está tomando.

Tenha em mente que algumas profissões provavelmente vão desaparecer da forma como são hoje, exigindo habilidades diferentes daqui a alguns anos. Por isso, você deve ouvir o que os especialistas dizem sobre o futuro desses cargos e analisar se gostaria de se encaixar nessa perspectiva.

4. A importância do curso no desenvolvimento da carreira

Depois de definir onde quer chegar, é hora de escolher o curso ideal. Para algumas carreiras, só existe uma opção: para ser juiz, desembargador ou procurador de justiça, por exemplo, só há um ponto inicial: a faculdade de Direito.

O mesmo acontece com médicos, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos: não há outra via de acesso à profissão que não seja um determinado curso realizado naquela área de formação. Outros cargos, porém, têm um acesso mais democrático, principalmente na área de gestão. Até porque, se pensarmos em grandes empresas, ela precisa ter em sua cúpula pessoas com formações diferentes. O que importa é que a formação delas seja útil para a empresa e que elas saibam transformar conhecimento em resultados.

Portanto, se você pensa em se tornar um executivo e ocupar um cargo C-level, o número de possibilidades para áreas de formação é maior. Finanças, Administração, Recursos Humanos e Marketing são alguns dos cursos que podem alçar as pessoas a essas posições.

Lembre-se, no entanto, de sempre procurar uma instituição reconhecida para a sua formação. Hoje, o mercado não está interessado apenas naquele papel chamado diploma: ele espera — e contrata — apenas profissionais que saibam apresentar resultados.

Isso significa que não adianta escolher o curso mais fácil e achar que o título vai garantir o seu lugar no mercado. Procure uma faculdade com uma boa proposta, que realmente esteja disposta não só a transmitir conhecimentos, mas também a ajudar você a desenvolver as competências necessárias para atuar no meio corporativo.

5. Como montar um plano de carreira eficiente

Agora que você já entendeu como identificar suas habilidades, como escolher uma profissão adequada ao seu perfil e qual é o curso mais apropriado para atingir os seus objetivos, que tal entender como montar o plano de carreira perfeito na prática? Acompanhe abaixo nosso passo a passo!

Liste os passos necessários para atingir seu objetivo

Vamos supor que você seja auxiliar do departamento pessoal da sua empresa, mas queira se tornar um CHRO (executivo de RH) de uma grande multinacional no futuro. O que falta para você chegar lá?

Liste os passos que você precisa percorrer para alcançar esse cargo, buscando entender como funciona a estrutura das organizações e como acontece a ascensão.

Estabeleça etapas para alcançar o seu alvo

Entendida a trajetória, é hora de pensar no passo seguinte: qual é o próximo cargo da sua lista? Veja o que você precisa fazer para alcançar esse primeiro alvo e estabeleça uma data para iniciar a ação.

Se a sua única alternativa é começar um curso que tem uma data definida, comece a se preparar e decida voltar a estudar já com a próxima turma. Se for algo que você pode fazer hoje, não deixe para amanhã! Faça isso com cada etapa do processo.

Dispense tudo o que atrasa o seu plano de carreira

Durante a sua trajetória, aparecerão outras oportunidades, seja em relação a cursos ou vagas de trabalho. Para aproveitá-las, é preciso analisar tudo de acordo com o seu plano de carreira. Se ele contribui para alcançar seus objetivos, vá em frente; se não é o caso, mantenha-se firme em seu propósito.

Coloque seu plano no papel

Liste tudo o que você definiu para não perder o rumo. Além de ajudar a manter seu objetivo em mente, isso vai permitir que você acompanhe de perto a realização dos seus desafios.

Tenha disciplina

Decidiu fazer um curso? Matricule-se e vá em frente! Compareça a todas as aulas, faça seus trabalhos com dedicação e extraia o máximo de conhecimento dos professores. Nós sabemos que trabalhar e estudar pode ser um grande desafio, mas esse empenho é fundamental no início. Lembre-se que fazer o mínimo pode até render um diploma, mas dificilmente o deixará apto a competir com bons candidatos no mercado de verdade.

Reavalie e siga em frente

De tempos em tempos, pode ser necessário rever o seu planejamento — afinal, tanto as suas necessidades quanto as do mercado estão em constante mudança. Nessa etapa, veja o que não foi alcançado, avaliando se este item deve ser mantido na sua lista ou se ele perdeu a relevância diante das mudanças no mercado de trabalho.

Comemore suas conquistas

Manter-se motivado a alcançar seu alvo profissional é importante, então não hesite em criar algumas recompensas para cada vez que você alcançar um dos seus objetivos. Prometa a si mesmo que só vai fazer aquela viagem dos sonhos depois que terminar determinado curso ou conquistar um cargo, por exemplo. Assim, você vai se sentir duplamente motivado pelo resultado na carreira e por realizar algum sonho. Além disso, comemorar a vitória vai fazer você querer experimentar essa sensação novamente, renovando suas energias para a nova etapa.

Não desista

Mesmo que alguma coisa não tenha acontecido da forma como deveria, não desista! Se os seus planos ainda não se tornaram realidade porque você não fez o que havia decidido ou porque as oportunidades não apareceram, é importante manter-se firme. Pense que você pode não estar da maneira como gostaria no momento, mas fazendo algo hoje para mudar a situação, o amanhã pode ser completamente diferente. Tudo depende de não se deixar abater definitivamente e agir para retomar seus planos, reiniciando sua trajetória rumo ao sucesso.

Gostou dessas dicas para criar um plano de carreira perfeito e quer outras sugestões para alavancar seu sucesso profissional? Assine a nossa newsletter e seja o primeiro a receber as novidades do blog! 

Você pode gostar
8 resoluções de Ano Novo para colocar em prática em 2018
Será que preciso de um mentor? Como encontrar um?

Deixe seu comentário

Seu Comentário*

Seu Nome*
Seu Site

Share This