Graduação tecnológica e curso técnico: quais as diferenças?
Ensino tecnológico

Graduação tecnológica e curso técnico: quais as diferenças?

Os nomes podem até ser parecidos e gerar alguma confusão. Na prática, porém, graduação tecnológica e curso técnico têm características distintas e oferecem oportunidades profissionais completamente diferentes.

Sabe que diferenças são essas? Quer entender qual dessas formações é melhor para atingir seus objetivos profissionais e alavancar sua carreira? A seguir, vamos contar tudo sobre esses tipos de formação para que você saiba o que é preciso para fazer a escolha certa. Vamos começar?

O que é e como funciona o curso técnico?

Os cursos técnicos são oferecidos há muito tempo no país. O objetivo é fornecer conhecimentos teóricos e práticos para que o aluno termine o Ensino Médio capacitado a entrar no mercado de trabalho, já exercendo uma profissão no setor produtivo.

Tipos de cursos técnicos

Formação Inicial Continuada (FIC) ou Qualificação Profissional

Trabalhadores, profissionais desempregados e estudantes de EM ou benefíciários de programas federais de transferência de renda podem fazer esses cursos.

A duração mínima é de 2 meses, mas também há cursos de 210, 340 ou 800 horas. Alguns deles exigem apenas o Ensino Fundamental incompleto e formam profissionais para ocupações menos complexas.

Alguns exemplos de cursos do FIC são auxiliar de padeiro, auxiliar de maquinista, bombeiro civil, etc.

Curso técnico integrado

É uma opção para quem já terminou o Ensino Fundamental. Pode durar até 4 anos e reúne tanto as matérias do EM quanto as do curso técnico. Por isso, ao final o aluno sai com os dois diplomas: o do Ensino Médio e o de Técnico de Nível Médio.

Curso técnico concomitante

É indicado para quem já terminou o 1° ano do EM. O aluno pode fazer o curso técnico ao mesmo tempo em que faz a segunda e a terceira série. Ele pode estudar em uma única instituição ou em escolas diferentes, e tem uma jornada dupla de aulas.

A parte técnica do curso, portanto, tem a duração de dois anos. Assim como no técnico integrado, o aluno sai com os dois diplomas.

Curso técnico subsequente

É um curso para quem já fez o Ensino Médio, mas quer se profissionalizar para o mercado de trabalho. A duração é variada, de acordo com a profissão escolhida. No final, o aluno recebe o diploma de Técnico de Nível Médio.

Vantagens

Uma das principais vantagens do curso técnico é que o aluno se prepara para atuar no mercado de trabalho. Portanto, ele não é um estudante com uma formação geral: ao terminar o curso, ele pode exercer uma profissão específica.

Desvantagens

O curso garante um diploma de nível médio técnico. Isso significa que, diante das empresas e da legislação do país, ele não tem um curso superior.

Embora alguns cursos técnicos garantam um salário excelente, na maior parte das vezes o profissional ainda precisa fazer uma faculdade para ter acesso a cargos mais vantajosos e uma remuneração maior.

Exemplos de cursos técnicos

Há uma infinidade de cursos técnicos disponíveis. Entre os mais valorizados, podemos destacar o Técnico em Meio Ambiente, Técnico em Redes de Computadores, Desenvolvedor Mobile e Técnico em Comércio Exterior, por exemplo.

Há opções em praticamente todas as áreas, e por isso o estudante pode escolher o curso com o qual mais se identifica.

Onde fazer um curso técnico

Eles geralmente são oferecidos por escolas técnicas, institutos federais e pelas instituições vinculadas ao Sistema S, como o Senai e Senac.

O que é e como funciona a graduação tecnológica?

A graduação tecnológica tem uma proposta diferente: embora ela também seja voltada para aspectos práticos, a formação é equivalente à de um curso de nível superior.

Ao contrário dos cursos técnicos, que têm uma duração muito variável, esse tipo de formação se estende por um período mais previsível e pode ser concluída em 2 ou 3 anos.

Vantagens

Há muitas vantagens na graduação tecnológica, mas podemos destacar as principais:

  • é uma modalidade de Ensino Superior com um tempo de formação mais curto;
  • investimento menor;
  • formação muito prática, voltada às necessidades do mercado;
  • possibilidade de se preparar para profissões em que o mercado está carente, mas para as quais não há faculdade convencional;
  • especialização e conhecimento aprofundado em uma determinada área;
  • retorno rápido do investimento, já que o estudante se forma em um tempo menor e já pode entrar no mercado de trabalho.

Outra vantagem que vale a pena destacar é a taxa empregabilidade desses cursos. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) fez uma pesquisa e descobriu que 90% dos tecnólogos conseguem uma colocação no mercado de trabalho. É um índice impressionante, considerando os números atuais da nossa economia.

Desvantagens

A área de conhecimento é mais restrita. Porém, isso não é necessariamente uma desvantagem, pois o profissional é considerado altamente especializado.

Exemplos de cursos de graduação tecnológica

Atualmente, de acordo com o MEC, há 112 graduações que abrangem 13 áreas tecnológicas. Entre elas, podemos destacar Gestão de Recursos Humanos, Hotelaria, Gestão de Turismo, Design de Interiores, Jogos Digitais, Nanotecnologia, entre muitas opções.

Onde fazer uma faculdade tecnológica

Os cursos superiores tecnológicos são oferecidos em universidades públicas e privadas em todo o país. Para ingressar, é necessário comprovar a conclusão do Ensino Médio.

Como escolher entre graduação tecnológica e curso técnico?

Como você pode perceber, esses dois tipos de formação atendem às necessidades de quem precisa ou quer entrar logo no mercado de trabalho.

Tanto a graduação tecnológica quanto o curso técnico têm uma duração reduzida, mas preparam o estudante para se tornar um profissional competente em pouco tempo.

Portanto, se você se encaixa nesse perfil — precisa ou quer trabalhar logo —, vai ter que usar outro critério para escolher.

Se você está começando o Ensino Médio agora, o curso técnico pode ser uma boa alternativa. Afinal, o diploma que vai receber ao final desses três ou quatro anos já será suficiente para entrar no mercado de trabalho.

Mas é preciso lembrar que essa profissão que você pode exercer é de nível médio. Então, seu diploma não dará acesso a concursos de nível superior, a remuneração na maioria dos casos é menor, e para investir em uma especialização, mestrado ou doutorado será preciso fazer uma faculdade primeiro.

Se você já está no meio do Ensino Médio, terminando ou até mesmo terminou essa etapa, a graduação tecnológica é mais interessante. Afinal, não vale a pena voltar a estudar para obter outro diploma de nível médio, que você já tem!

Nesse caso, a graduação tecnológica vai garantir o status de profissional de nível superior utilizando o mesmo tempo que um curso técnico. Isso significa melhores salários, a oportunidade de prestar concursos públicos que exigem Ensino Superior e a chance de partir para uma pós-graduação, mestrado ou doutorado.

E aí, entendeu a diferença entre graduação tecnológica e curso técnico? Quer saber mais sobre os cursos que podem garantir uma carreira de sucesso? Então assine a nossa newsletter para receber outras dicas e posts imperdíveis diretamente no seu e-mail!

Você pode gostar
Graduação e graduação tecnológica: quais as diferenças?
Graduação tecnológica é confiável? Entenda se vale a pena!

Deixe seu comentário

Seu Comentário*

Seu Nome*
Seu Site

Share This